terça-feira, 28 de julho de 2009

não me arrependo

Acho que pela primeira vez eu sentei aqui, na frente do computador, para começar um texto do zero. E diretamente no blog. Nessa correria, ando procurando a praticidade.

Uma dia vieram me perguntar o que eu queria da vida? Me diz se isso é pergunta que se faça. Quando que eu ia dizer que não queria nada? Que eu ia esperar vendo ela passar, vendo todo mundo crescendo (em todos os sentidos) e eu parada. Não espero que ninguém queira isso para si mesmo. E é logico que pra mim, eu também não quero nada parecido.

Seguindo, então me perguntaram: - E o que você anda fazendo para isso não acontecer? Essa pergunta pra qualquer pessoa é como uma encruzilhada. Você se auto-coloca contra a parede. Para e pensa. Lembra das coisas que anda fazendo nos ultimos dias, meses, anos. Se está satisfeito. Cada vez que isso já aconteceu comigo (digo, vezes mesmo, um bocado) gerou uma mudança. Que pode ter sido mínima ou significativa. Não que seja necessário radicalizar, precisamos nos adaptar com certas novas escolhas de vida.

Penso que não há problemas em ter deixado de ter feito certas coisas no passado, de ter demorado para tomar certas atitudes, de não ter saído quando chamaram, de faltar aula, de n coisas. Assim como o que sinto não é remorso. Pode até ser arrependimento, mas não me submeto a certos tipos de sentimento que não me favorecem. Não em relação à esse assunto. Confesso que às vezes acontece isso, até porque sou humana, mas evito.

Tudo o que a gente deixou de fazer, de falar, de sentir, de viver um dia serve de reflexão, que cabe a cada um perceber e tirar como lição para correr atrás. Não é do tempo perdido, é de um tempo antigo que ainda pode ser recuperado. Certo que as coisas ficam no passado, e não é que seja querer trazê-las para o presente. E sim completar o que "faltou". Só assim, não levaremos uma vida estagnada.

(idéias fruto de uma conversa virtual...)

=****

5 comentários:

  1. Fechar gestalts é simples, mas não é fácil. Requer tudo o que o passado ofereceu para revivê-lo ou ser criativo em usar algo novo para tapar buracos velhos.

    Nunca se aniquila o vício - ele precisa, sim, ser substituído por um ou mais que diluam os danos do antigo (o que a Psicologia chama de valências substitutivas). Com as virtudes, o mesmo fenômeno ocorre.

    E sobre escrever direto no blog: se avexe, não. Quando se pega a manha o processo se torna mais orgânico.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  2. vc escreveu isso pra mim?
    ou pra nós ?

    sou campeão em deixar a vida passar por mim...
    é foda isso...
    mas estamos de mudança, isso vai ficar pra trás!
    BWAHAHAHA!!

    =*

    ResponderExcluir
  3. complexo pacas....mas é verdade...faltou dizer bem diretamente q essas perguntas sao muuuito xatas...huahauhuahuhau

    =******
    lf

    ResponderExcluir
  4. A história é meio que isso, aprender com os acertos (e erros) de nossos antepassados. É, eu gosto.

    Antes se arrepender de algo que fez do que de algo que não fez. (:

    ResponderExcluir