terça-feira, 18 de agosto de 2009

beleza.

Versos que tive a honra de receber, que, por sinal, são lindos. Estavam ali, guardadinhos. Obrigada, Jota =)


Para Mar: ira! [Para Maíra Dal'Maz]

Para desintristecer: você.
Para arrefacer a dor
Para rejuvenescer: o amor
Você para enfeitar meu ser...

Para desestruturar o cruel
Balanço intempestivo do mar:
A ira do amor que a mim trará
Você sem dó, em sol, em céu.

No peito bate um grito forte, um calor...
Você: para desintristecer.
E o amor que vem me rejuvenescer
Emana deste teu furor.

Para ser feliz: eu te encontrar.
Num balão branco ou num carrossel,
Seremos só mar sem ira, sem fel.
Você: para sempre me aliviar.

Jota Mombaça.


=**

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

viva la vida!

Qual é o limite? Limite da introspecção, da timidez. Você, personagem enigmático. De poucas palavras, boas observações. Coerente. De bons conselhos. Bom ouvinte. Previsível. Pra que tudo isso? É normal ser reservado, prezar as coisas boas da vida. Ter gosto refinado, escolher a dedo. As palavras, as pessoas, as músicas, os sentimentos. Faz bem.

Todavia, explique-me a necessidade de tantas armaduras. Dessa indestrutível barreira entre o seu eu e o mundo. Não que o silêncio não seja uma forma de manifestação. Porém, depositar confiança em alguém faz bem. Receio? Trauma? Decepção não mata, ensina a viver. E o viver? Viver é a coisa mais rara do mundo, a maioria das pessoas não faz mais do que existir...

Já disse que não se arrependa. Nem chore pelo leite derramado. Quando você perceber, sua vida passou. E você, onde estava? No vagão do outro, resolvendo e absorvendo o problema dos outros. Posso apelar para o melodrama da situação, mas dessa fase já passei. Personalidade emblemática, eu ou você?


(devidos créditos à Mid, pela frase)


=***

sábado, 8 de agosto de 2009

penso, logo... (não) durmo.

Às vezes, demoro muito a adormecer. Não que o problema de insonia me afete, inclusive é o contrário. Mas, na verdade, parece que quanto mais o dia foi cheio, mais tarde adormeço. Pode soar mentiroso ou estranho pra quem me conhece como dorminhoca, entretanto é verdade.

Nesses minutos(ou horas), as ideias borbulham. Com o sono presente, mais ainda.
Ouso dizer que, caso houvesse a possibilidade de alguem me escutar pensando antes de dormir, eu estaria, no mínimo, encrencada.
Os pensamentos vão desde comentários bobos sobre o que aconteceu no dia, passando pela criação de situações inusitadas, pessoas, diálogos, sentimentos, problemas mundiais, até filosofias ou outras coisas didáticas. Nesse ultimo caso, confesso que nesse estado de reflexão, consegui pensar numa resolução para uma questão de física. Sendo produtivo ou não, talvez isso reflita no meu leve caso de sonambulismo, mas isso não vem ao caso (obra p'ruma outra conversa).

Tanto faz, só sei que se pudesse registrar todos esses devaneios noturnos, daria uma novela ou um filme. Que provavelmente seria um grande desastre, digno de sucesso no Tela Class (MTV). Pensando bem, eu posso registrar, mas devido ao grande número de coisas inúteis e, principalmente, à preguiça aguçada pela hora, deixo passar em branco. E, para compensar, estou aqui relatando isso.


[recesso escolar muito bem-vindo]

=***

domingo, 2 de agosto de 2009

?

Será que é sempre assim? quando viver parece ser leve, vem uma tempestade e mexe com tudo. Se dizem que está tudo escrito, que Deus dá o frio conforme o cobertor, que todos nós temos planos individuais, porque não facilitar?

"quando a gente acha que sabe todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas".

Agora, não sei mais o significado de nada. Nem do que eu sinto/faço/sou.

tentei abortar qualquer sentimentalismo, mas é tudo culpa do meu Eu lírico.