quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

perdi as contas da quilometragem
toda rodada na vida

nessa perda, criei parâmetros
como o da textura dos asfaltos ou barro
que levam a três pontos da rosa dos ventos

como reverberam com o corpo sentado,
o movimento dos seios quando os buracos
as instabilidades do assento
a fricção da calça jeans no clitóris
(o prazer num ônibus velho rodeado do desconhecido)
as rodas dos automóveis, novas,
ou o desalinho

e conheço todos os postos de gasolina,
onde tomei os piores cafés, até perder este hábito
ou os grandes galpões-facções

e coloquei entre meus dedos tantos cigarros imaginários enquanto só
para não voltar ao hábito

fumei o ar

e senti
o cheiro de carniça quantas vezes
dos animais mortos na beira da estrada

e na estrada,
as desconversas
os desvios:

perdi as contas dos esquecimentos
mas algo sobra

não sei o quê

Nenhum comentário:

Postar um comentário