segunda-feira, 27 de outubro de 2014

quantas vezes, s. plath,
também não tive minhas flores
de rododendros escondidas
por atrevida juventude
[meu olhar de ódio
mas nenhum vigor]

então, lembro-me dos charcos
pelos quais sonhei
dos jogos de baralho
e da tua dor

quantas vezes, s. macedo,
não pensei em santa maria
sem nunca ter respirado
a esquizofrenia de onetti
[meu arquejo vil
mas nenhum maná]

então, lembro-me,
apenas lembro
fragmentando o que disseste
sobre o verbo sustentar

aproprio-me
e sustento, assim, o que me constitui

2 comentários:

  1. sustentemos.
    eu ando sustentando um monte de coisa, também.
    e só isso. sustentando.

    ResponderExcluir